Samuel Fosso

Cameroon

Camarões

Samuel Fosso is a Cameroonian photographer who has worked for most of his career in the Central African Republic. His work includes using self-portraits adopting a series of personas, often commenting on the history of Africa. Initially he made self-portraits to fill up the unused parts of his photographic films. These photographs were destined for his grandmother, who had stayed behind in Nigeria. The making of self-portraits became an objective on its own for him. For his self-portraits he used special cloth backgrounds, in front of which he dressed up in costumes that varied greatly: authentic European costumes, African folk costumes, navy uniforms, karate keikogis, boxer shorts, and so on.

In 1994 Fosso became known abroad when he won the first edition of African Photography Encounters in Bamako, Mali, the most important photography festival in Africa. His self-portraits always show a glimpse of our own humanity. Fosso's varying costumes are said to show that identity is determined partly as well by things over which humans lack control. His work has therefore also been characterized as having a disclosure of how humans can in fact create their own identity.
 

Fosso won the Prince Claus Award from the Netherlands in 2001.

Samuel Fosso é um fotógrafo camaronês que, durante a maior parte da sua carreira, trabalhou na República Centro Africana. O seu trabalho inclui a utilização de auto-retratos que imitam um conjunto de personagens, muitas vezes comentando sobre a história de África. Inicialmente fez auto-retratos para preencher partes não utilizadas dos seus rolos fotográficos. Essas fotografias eram destinadas à sua avó, que tinha ficado na Nigéria. A feitura de auto-retratos tornou-se um objectivo em si só para ele. Para os seus auto-retratos ele usou panos de fundos especiais, diante dos quais ele se vestia em trajes que variavam muito: trajes europeus autênticos, trajes folclóricos africanos, uniformes da marinha, kimonos de karaté, calções de boxeur, entre outros.
 

Em 1994 tornou-se conhecido internacionalmente quando ganhou a Primeira Edição dos Encontros Africanos de Fotografias de Bamako, Mali, o mais importante festival da fotografia em África. Os seus auto-retratos sempre mostram facetas da nossa própria humanidade. Dizem que as mudanças dos trajes pelo Fosso mostram que a identidade é também, em parte, determinada por coisas sobre as quais os humanos não têm controlo. O trabalho dele foi, portanto, caraterizado como contendo uma revelação de como os humanos podem, de facto, criar a sua própria identidade.
 

Fosso ganhou o Prémio Prince Claus na Holanda em 2001.